logo mobile

Imprimir

Contaminação de servidores: Sindijus solicita ao TJSE cumprimento do protocolo de retorno presencial

.

Diversos novos casos de contaminação de servidores do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) por COVID-19 foram identificados nas últimas semanas nas comarcas de Lagarto e Itabaiana, no Fórum Gumersindo Bessa, no Palácio da Justiça e no Fórum Bel. Luiz Augusto Barreto, na comarca de Socorro.


Diante da gravidade da situação, o Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Sergipe (Sindijus) enviou à presidência do Tribunal de Justiça de Sergipe ofício solicitando, mais uma vez, o cumprimento do protocolo de retorno presencial de atividades do próprio órgão.

O ofício enfatiza a obrigatoriedade de desinfecção imediata e a interdição das unidades em que foram confirmados casos de COVID-19, além do afastamento temporário dos servidores contaminados, dos que com eles tiveram contato, dos servidores sintomáticos e contactantes, mesmo antes do resultado para o teste da Covid-19. O documento exige ainda que o Tribunal de Justiça providencie a testagem dos contactantes.


“Além do contágio, os servidores tem em comum outra coisa: eles atuam em comarcas que permanecem descumprindo o protocolo de retorno das atividades presenciais”, avaliou o coordenador geral do Sindijus, Jones Ribeiro.

Cumprimento desigual

“Essa tem sido letra morta para quase todos os setores, menos para o caso de contágio na própria sede do tribunal, única unidade que realizou desinfecção e interdição dentre todas que tiveram casos confirmados nas últimas semanas. Por que não tem sido dispensado o mesmo tratamento para todos os servidores?”, denunciou Jones.

Por meio do documento, o sindicato revela ainda que o Centro Médico do TJSE tem adotado expediente incompreensível no tratamento dos contactantes e com pessoas que testaram positivo, de modo que em determinadas situações promove o afastamento do servidor e em outras, similares, o afastamento não é solicitado.


“O centro médico, inclusive chegou a informar a servidores que só promove o afastamento daqueles que tenham tido contato por mais de 15 minutos com pessoas com resultado positivo para o novo coronavírus”, criticou Jones, afirmando que é obrigatório o afastamento de todos os mantiveram contato com servidores que foram afastados e com sintomáticos, mesmo antes do resultado positivo.

Comunicação Efetiva


Outra reivindicação do Sindijus é que o Tribunal cumpra o que preconiza o eixo Comunicação Efetiva do Protocolo. Entre as obrigações do TJSE, estão orientar os servidores quanto à utilização dos EPI’s; publicizar amplamente o protocolo emergencial para os integrantes do Poder Judiciário, entidades parceiras e público externo; e organizar campanhas de conscientização de riscos e medidas preventivas de contágio divulgadas eletronicamente.