logo mobile

Imprimir

Copa do Mundo Feminina: tempo para refletir sobre as injustiças no esporte

.

Fonte: Revista Galileu/ Por Sarah Zipp

 

copa feminina 2Poucos eventos no esporte feminino geram mais atenção do que a Copa do Mundo de futebol. Cerca de 750 milhões de pessoas assistiram ao último torneio e, em junho, a França sediará a competição de 2019 com as atuais campeãs dos Estados Unidos.

Mas a batalha da equipe norte-americana fora do campo pode revelar mais sobre o estado do futebol feminino do que as atuações no dia do jogo. Em março, a equipe entrou com uma ação contra a USA Soccer, órgão que rege o esporte no país, alegando discriminação de gênero. A grande diferença salarial entre as equipes masculina e feminina — apesar de as mulheres consistentemente superarem os homens e gerarem mais receita — é apenas um aspecto do compromisso legal.

O time está defendendo mais do que um aumento de salário. Seus membros querem maior apoio para o desenvolvimento do futebol juvenil, promovendo o jogo e melhores caminhos para as mulheres em papéis de liderança internacional. Esses fatores são críticos para o sucesso futuro do esporte e para melhorar as oportunidades, para que meninas e mulheres se beneficiarem da participação.

Essa luta se estende muito além de uma equipe, um esporte ou um país. Faz parte de um movimento muito mais amplo de direitos iguais em todos os níveis de esporte, direitos humanos e política.

Em fevereiro de 2019, um passo importante foi dado quando a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e o governo suíço concordaram em realizar um estudo de viabilidade sobre a criação de um novo “observatório global” para mulheres e esporte.

Um observatório global (uma fonte de informação, análise e ativismo) ajudaria a alinhar vários movimentos paralelos: os esforços globais da ONU para promover a igualdade de gênero, seus objetivos de desenvolvimento sustentável em países de baixa e média renda e a luta contínua de meninas e mulheres no esporte.

Durante décadas, esses movimentos complementares ajudaram a promover mudança social, trabalhando para tornar o mundo um espaço mais inclusivo. No entanto, no auge do esporte feminino, as melhores atletas são inegavelmente tratadas como seres inferiores.

Sim, existem diferenças em popularidade e receita no esporte de elite, mas como o esporte gera lucro é complexo e tem gênero. No entanto, é difícil argumentar contra a melhoria das oportunidades para meninas e mulheres simplesmente praticarem esporte para a saúde, inclusão social e recreação.

O observatório global gostaria de identificar essas desigualdades, analisá-las e defender a mudança. No entanto, as iniciativas de igualdade de gênero frequentemente definham em revisões e debates sem fim.

Na década de 1970, o sistema olímpico estava lentamente (e controversamente) expandindo as oportunidades para as mulheres. A ONU também começou a considerar a igualdade de gênero e, em 1979, adotou um tratado internacional — a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (CEDAW, na sigla em inglês).

Essencialmente, uma declaração de direitos para as mulheres que proíbe a discriminação por sexo que foi ratificada por 189 países. (Os EUA são um dos sete países que não ratificaram a CEDAW — ao lado do Irã, da Somália e do Sudão do Sul.)

Em Brighton, na Inglaterra, nasceu o Grupo de Trabalho Internacional sobre Mulheres e Esporte (IWG), tornando-se uma das principais vozes da igualdade de gênero no esporte e parceira da Unesco.

Outro impulso veio depois das Olimpíadas de 2004, quando um grupo de representantes do esporte da Unesco propôs pela primeira vez o observatório global. Mas a chamada parou por anos até que foi reativada em 2017. Então, em abril de 2019, o governo suíço concordou em conduzir o estudo de viabilidade.

 

A maratona da igualdade de gênero

O progresso tem sido lento — e será uma das tarefas do observatório, quando finalmente for formado, entender o porquê.

Justiça atrasada é a justiça negada — especialmente no esporte, quando o hiato de um mês pode destruir um sonho de uma vida, como competir nas Olimpíadas. A campeã olímpica Caster Semenya está atualmente impedida de competir por uma decisão que a forçaria a tomar drogas que suprimem hormônios. Sua batalha está longe de terminar. Mais amplamente, cada atraso representa oportunidades perdidas para meninas e mulheres em todo o mundo.

O apoio suíço na promoção da agenda de gênero e esporte é um valioso passo à frente. A Suíça é também o local onde a ONU (em Genebra) e o mundo internacional do esporte se reúnem (Lausanne é sede do Comitê Olímpico Internacional e de muitas federações esportivas internacionais). Um observatório para mulheres e esportes na Suíça poderia se tornar um círculo entre esporte, igualdade de gênero e direitos humanos.

Tudo isso importa além do esporte. Desigualdades sistemáticas nessas atividades têm um grande impacto na vida das pessoas e refletem desigualdades sociais, econômicas e políticas diversas.

O observatório deve ser a plataforma que monitora, defende e garante a igualdade no esporte — e além dele. Se isso acontecer, todos serão beneficiados. Como Benjamin Franklin disse uma vez: "A justiça não será feita até que aqueles que não são afetados estejam tão indignados quanto aqueles que são".