logo mobile

Imprimir

Fenajud repudia ação do exército no RJ

.

Fonte: Fenajud

 

NotaRepudio-702x339A Fenajud (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados) vem a público, por meio desta nota, primeiramente lamentar profundamente a morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, ocorrida no último domingo (7), na zona norte do Rio de Janeiro. O carro em que Evaldo e sua família estavam foi alvejado por mais de 80 tiros disparados durante uma ação obscura do Exército.

De acordo com o CML (Comando Militar do Leste), os militares envolvidos no fuzilamento reagiram à atuação de assaltantes, o que posteriormente se provou incorreto.

A Fenajud repudia ainda a atuação inescrupulosa das forças de segurança, que se pautou apenas por achismos ou presunções para naturalizar a letalidade policial. Essa ação expõe um fato alarmante no país: o racismo latente vivenciado por negros e periféricos.

De acordo com a ONU, diferentes estudos e pesquisas recentes têm apontado que, no Brasil, a violência se distribui de forma desigual. Um dos principais marcadores desta desigualdade é o perfil racial das vítimas: de cada dez pessoas assassinadas, sete são negras.

A morte de Evaldo ocorre em meio a declarações de incentivo ao uso indiscriminado de força letal, defendidas por governantes. Algo inaceitável por esta Federação, que preza pela cidadania, respeito e segue na luta por justiça social.

A Federação acredita que ações como esta, que aconteceu no Rio de Janeiro, não solucionam os problemas de segurança pública no país. Pelo contrário, perpetuam as falhas causadas pela ausência de mecanismos efetivos contra o racismo estrutural e de controle das atividades de polícia no país.

 

Nossa luta segue! #VidasNegrasImportam