logo mobile

Imprimir

Não dá mais para esperar, "Tá na hora de exigir justiça!"

.

campanha2019 750x510

 

A nova campanha dos servidores e servidoras do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) leva aos fóruns e às ruas uma provocação para reagir contra a má distribuição de renda dentro do Judiciário e na sociedade em geral. "Tá na hora de exigir justiça" dá sequência à campanha iniciada no ano passado, "Que justiça é essa que só atende aos de cima," que questionou a distância do Judiciário em relação aos interesses da maioria da população, que são os trabalhadores.

As primeiras peças publicitárias da nova campanha, produzida pelo Sindijus, já estão nas ruas de Aracaju. Painéis em edifícios, busdoors e outdoors chamam a atenção com o saco de dinheiro nas mãos de quem está em cima e a mão estendida de quem está embaixo e recebe apenas algumas migalhas de moedas. Panfletos, camisas e adesivos já começam a ser distribuídos em todos os fóruns e unidades administrativas onde trabalham os sindicalizados, na capital e no interior do estado. Conforme a dinâmica da campanha, outras mídias poderão ser veiculadas na internet, jornais, rádios e TVs.

Em Sergipe, os servidores do Tribunal de Justiça são conhecidos por organizarem campanhas com conceitos impactantes que deixam lições para a sociedade, sempre com slogans e palavras de ordem que, na essencia, miram às desigualdades que favorecem uma minoria elitista e prejudica a maioria. Vacas, marajás, pratos vazios, troféu abacaxi, cascas de banana, telhado de vidro e balanças são alguns dos simbolos marcados pelos trabalhadores do TJSE na memória do povo sergipano. Na campanha 2019, o Sindijus promete apresentar um despertador, com o propósito de tocar o mais alto possível para despertar os desembargadores e gestores públicos sobre a necessidade de corrigir as desigualdades injustas.

O problema no Tribunal de Sergipe continua o mesmo. Apesar de ser considerado o melhor Tribunal do Brasil, os servidores que fazem a justiça existir continuam recebendo um dos piores salários do Judiciário do país. Também continuam sendo contraditórias as gratificações e indenizações concedidas aos juízes e aos altos cargos em comissão, que aumentam as desigualdades internas.

Ao longo do ano, o presidente do TJSE, desembargador Osório Ramos Filho, fez diversas reuniões com a direção do Sindijus. Nesse período, o presidente beneficiou juízes – criando gratificação de acúmulo de jurisdição, indenização de licenças e indenização de férias – contudo, deixou todos os compromissos com as demandas dos servidores para o mês de novembro, que agora se acumulam com a pauta da data-base de janeiro. Por essa razão, tá na hora de exigir justiça!

No Brasil, cada projeto que tem sido aprovado nos governos de orientação ultra-neoliberal, Temer/Bolsonaro, serve para retirar direitos conquistados ao longo de décadas e empobrecer mais a classe trabalhadora. Primeiro congelaram o orçamento e reduziram as políticas e serviços públicos. Depois, ampliaram a terceirização e fizeram a reforma trabalhista, que precarizou as relações de trabalho para aumentar os lucros dos patrões. Agora, a reforma da previdência, que vai fazer o povo trabalhar mais tempo e receber salários menores na aposentadoria, em benefício dos banqueiros que irão ficar mais ricos vendendo planos de previdência privada. Ainda querem acabar com a estabilidade dos servidores públicos para aumentar o poder dos caciques políticos e querem atacar as entidades sindicais combativas para calar os trabalhadores que ainda se organizam e resistem.

É em meio a esse contexto que a nova campanha organizada pelo Sindijus se propõe a cobrar a palavra do presidente do TJSE, que se comprometeu em valorizar os trabalhadores, e, ao mesmo tempo, ultrapassa o corporativismo identificando-se com os trabalhadores das outras categorias que a cada dia também perdem direitos.

Em síntese, a campanha dos trabalhadores do Tribunal de Justiça servirá de espaço para denunciar a má distribuição de renda dentro do Poder Judiciário e na sociedade em geral.

Por isso, não dá mais para esperar. 

Tá na hora de exigir justiça!